Poesia tempo. Não sabemos a importância do tempo. Ele é a nossa riqueza.

clock-desk-stopwatch                                  Tempo

Autor: Val Marks

Eu não tenho tempo!

Tempo eu não tenho!

Se eu não tenho tempo!

Tempo eu não tenho!

Dizem: Tempo é ouro.

Tempo é tesouro.

Mas se eu não tenho tempo.

Nem ouro.

Nem tesouro.

Não tenho tempo.

Nem tempo, nem muito tempo, nem pouco tempo!

Onde achar tempo para ter tempo de encontrar

Ouro,

Tesouro?

Pra ter TESOURO

OURO,

Tem que ter talento.

Pois com o tempo o tempo mostra

Que com o passar do tempo

Ouro e tesouro não é do tempo.

É fruto do talento

Que uso no meu tempo

Pra trabalhar com tempo,

Correndo do tempo,

Achando tempo para com talento

Ter:

Tempo para usufruir do

Meu tempo,

Meu ouro,

Meu talento,

Meu tesouro.

Anúncios

Deputado Bruno Toledo um jovem que nasceu para fazer política.

222G cópiaO jovem deputado estadual Bruno Toledo do PSDB em sua estréia na casa de Tavares Bastos já têm demonstrado que herdou dos pais Lucila Toledo ( prefeita de Cajueiro – ex deputada estadual) e Fernando Toledo ( conselheiro do tribunal de contas e ex – deputado estadual e presidente da assembléia legislativa de Alagoas) a veia política.

Bruno  é compromissado, honesto, trabalhador e focado nas ações que podem melhorar a vida do alagoano,  em especial de sua terra :Cajueiro. Em seu primeiro mandato têm se mostrado atuante e deixando claro seu compromisso de lutar em favor do povo de Alagoas. O povo quer isso mesmo. E vai cobrar sempre!

Escritor de Paulo Jacinto comprometido com a História de sua terra.

TDiego Limaive o prazer de conhecer o jovem Diego Lima que apesar das dificuldades e adversidades ,venceu o preconceito e já lançou dois livros e em breve estará lançando o próximo intitulado: aquarelas para Luíza, no qual ele retrata o famoso Baile da Chita que resultou na emancipação política do município de Paulo Jacinto em 02 de de dezembro de 1953.

Diego é estudante de engenharia da Ufal  e amante das letras desde os seus tempos de escola.

Aécio Neves em visita à Maceió

AÉCIO NEVES EM MACEIÓO senador Aécio Neves do PSDB  veio à Maceió nesta sexta – feira, (14)  para lançar a campanha nacional de filiação de seu partido. O tucano foi bastante aplaudido e bem recebido por políticos e sociedade civil.

Na ocasião ele empossou o ex – governador Teotônio Vilela Filho como presidente estadual do PSDB em Alagoas. O inicio de uma história de  luta e oposição a favor do Brasil como eles garantem. Agora é esperar para ver. Mas sabemos de uma coisa: O POVO QUER MUDANÇA JÁ!

Um amigo perdeu um filho e eu escrevi essa crônica

                                                

 

                                       CRÔNICA: Em meio à dor o amor

                                       Autor: Val Marks

 

amor-dor2Eles foram felizes, mas tudo acabou. Agora cada um vai para o seu lado. O tempo passa. Eles encontram outros corações e se apaixonam, mas algo ainda mostra que eles um dia irão voltar a estar juntos novamente.

O pequeno fruto do amor, já estava crescendo. 10 anos era sua idade. Força, vitalidade, beleza e alegria.

Um dia brincando na rua, um carro desgovernado bate nele. A mãe desesperada corre. É seu filho quase morto que está estirado no chão.

No hospital, tudo feito. Não deu certo. Ele falece. No auge dos 10 anos. A mãe em prantos clama por justiça. O pai aparece e sabe da notícia.  Falta pouco pra desmaiar, pressão aumenta, chora…

É triste a cena…

Um dia chega e eles conversam. Culpam-se. Incriminam-se. Mas nada disso o traria de volta. É triste a dor da perda.

A MULHER dele não sente ciúmes, mas percebe uma coisa estranha. Ele está muito próximo dela. Ele começa a se afastar de sua esposa. Enfim acabam…

A chance de ele voltar pra ela é agora. Em meio à dor, surge o amor. Um momento para reconquistar quem nunca deveria ter perdido. Eles voltam. Agora ao inicio de tudo. O que passou, passou. Ela num lance e outro engravida.

O tempo passa. 9 meses chegam. Então nasce uma menina. Linda, meiga, princesinha. E sua chegada traz alegria. A vida está completa: papai, mamãe e ela.  O nome? Só o tempo dirá. Ainda não encontraram um que combine com essa  dádiva divina.

 

Autor: Val Marks . Fotógrafo, radialista, diretor de agência de modelos, jornalista, acadêmico de pedagogia e escritor quando surge a inspiração.

Mais uma vez voltando a escrever. Quero destacar esta crônica.

viagem-carroCrônica :  A viagem

Autor: Val Marks

Ele antes de deitar conversa com sua esposa. Abraça – a, beija seus cabelos brancos e a convida para viajar até a terra natal do casal. Ela concorda. Vão dormir.

Acordam cedo arrumam algumas poucas malas e dirigem – se ao carro. Caetano liga seu velho opala e ele demora a funcionar, mas dá a partida. Vão embora. Lá pelo meio do caminho, o opala quebra.

Chateado ela diz a Rosalina, que o motor não está dando esperança de continuar a viagem. Rosa, calma. Senta na beira da estrada a espera de um socorro para o carro deles. Nesse interim um caminhoneiro passa. Eles acenam. O motorista para.

Depois de explicar o acontecido, resolvem deixar o automóvel lá e seguir destino com aquele homem. Entre uma conversa e outra descobrem que ele vai para o mesmo lugar que eles. Ficam felizes.

Finalmente chegam. Agradecem ao moço. Numa praça sentam – se colocam as malas ao lado e começam a observar a igreja lá na frente. Um cão vira – lata vem recepciona- los. Ao longe observam que tem um sacristão na porta da antiga igrejinha conversando com uma beata.

Decidem ir até ele. Perguntam pelo padre Dionísio. A resposta é triste. O sacerdote há uma semana havia falecido já era muito idoso. Havia pouca gente na rua, crianças quase não existiam. A cidade estava de luto. Muitos fiéis estavam em seus lares, chorando a morte de Dionísio.

Mais de 30 anos se passaram e nessa tentativa de relembrar os momentos eles veem que ali muita coisa mudou. Pensavam que ali ainda existia, alegria, tranquilidade…. Nada era igual.

Poucos dias ali foram suficientes para ver o quanto aquele local era diferente. Não era aquela cidade que eles viveram três décadas. É fim de tarde, cansados de andar. Sentam no mesmo banco. Abraçam-se e choram…

Já são 6 h da manhã, Caetano, se levanta vai até a cozinha e encontra sua companheira ainda de camisola, cabelos soltos, preparando o café. Rosa! Chama ele. Esta noite tive um sonho e começa a contar. Ela diz: Um dia a gente fará essa viagem de volta. Um dia de volta. Um dia…